Empregadores, consumidores, equipamentos eletrônicos e as próprias companhias estão cada vez mais conectados e isso gera, inevitavelmente, uma grande quantidade de dados, fazendo com que você consiga analisar de uma forma mais ampla como o seu negócio anda.

Uma boa estratégia de dados utilizada a favor das vendas, denominada “Data driven sales”, trata-se de colocar essas informações em contato direto com suas equipes de vendas, serviços e marketing em vez de jogar esses dados nas mãos de analistas.

Pessoas que atuam no mundo dos negócios têm a necessidade de entender como os dados impactam nas vendas. Essa característica se tornará cada vez mais indispensável em um profissional que trabalhe nesse segmento e contar com essa sensibilidade é um diferencial na carreira de quem vende. Uma pessoa guiada por dados sabe exatamente quais são suas prioridades e qual será o planejamento para cada semana a fim de que se obtenha um aumento nas vendas.

Embora a era do data driven sales seja, à primeira vista, um pouco intimidadora, a seguir listamos algumas formas de como conseguir lidar melhor com essa tendência:

1. Comece todas as reuniões com gráficos ou planilhas

Não precisa ser nada muito complexo, porém um bom gráfico ou planilha ajuda a posicionar o foco de todos no ponto fundamental para o sucesso e constância. Foco constante mantém a agilidade de todos, fazendo os ajustes necessários para atingir metas.

2. Mapeie os funis de vendas

Questionar-se sobre o valor que existe em cada etapa das vendas é um bom começo. Entender os funis de vendas ajuda a manter o balanço no local correto.

3. Mantenha o reconhecimento constante

Atualmente, as equipes de vendas são altamente colaborativas e competitivas. Reconhecer quando alguém teve uma iniciativa correta e contribuiu para a melhora dos resultados da empresa evita distrações, estimula e conduz para o sucesso de todo o time, que estará ainda mais motivado.

 

Se você quiser se aprofundar no assunto “Data driven sales” uma dica é ler o livro “Profiles in Performance”  de Howard Dresner, pesquisador-chefe da Dresner Advisory Services.

Você já faz isso na sua empresa? Comenta aí embaixo.